Total de visualizações de página

PESSOAS QUE GOSTAM DESTE SITE

29 novembro 2011

LIÇÃO 11 - O DIA DE ADORAÇÃO E SERVIÇO A DEUS / III – A GUARDA DO SÁBADO EM O NOVO TESTAMENTO / CONCLUSÃO


[1] "1. A essência do dia de descanso. É imprescindível que o ser humano tenha, ao menos, um dia de descanso semanal, a fim de conservar a sua saúde física, mental e espiritual. Segundo a Bíblia de Estudo Pentecostal, “aqueles que desprezam o princípio do dia semanal de descanso provocam sua própria ruína”, pois somos o “templo do Espírito Santo” (cf. 1 Co 3.16,17; 6.19).
No entanto, há pessoas que, ansiosas quanto ao futuro, não separam um dia sequer para descansar. E acabam, por isso, desenvolvendo doenças como hipertensão, enxaqueca e insônia. Algumas chegam ao óbito prematuramente. E o que dizer do crente que assim age? Será que ele ainda não sabe que a comunhão dos santos traz vida e vigor tanto para a alma quanto para o corpo? Leia atentamente o Salmo 133."


[1] "2. Jesus e o dia de descanso. Certa vez, Jesus foi inquirido pelos fariseus quanto ao fato de os seus discípulos colherem espigas num dia de sábado. Respondeu-lhes o Senhor que nenhuma lei estava sendo transgredida, pois semelhantemente agira Davi e seus homens quando premidos pela fome. Além do mais, era Ele o Senhor do sábado (Mc 2.26-28). Segundo Lawrence Richards, Jesus deixou-lhes bem claro que “somente Ele tem o direito de determinar o que é e o que não é desrespeitar o sábado”.
Cristo aproveitou a oportunidade para explicar aos fariseus, que o sábado fora criado por causa do homem e não o homem por causa do sábado (Mc 2.27). Aliás, Ele sempre posicionou-se contra o abuso dos fariseus a respeito da guarda do sábado. Todavia, Ele nunca anulou o princípio de que o homem precisa de um dia de descanso. Como você tem tratado o sue corpo? Tem reservado um dia para repousar e servir a Deus?"


[1] "3. O cristão deve guardar o sábado? Não! O sábado judaico não é mais obrigatório para os crentes, pois já não estamos sob o jugo da Lei (Rm 6.14). Com a morte expiatória de Jesus, as exigências cerimoniais da legislação mosaica foram completamente canceladas, pois todas foram plenamente cumpridas em Cristo e por Cristo (Cl 2.14,16). Então, por que guardamos o domingo? Como Jesus ressuscitou no primeiro dia da semana, isto é, num domingo (Mt 28.2) a Igreja Primitiva passou a reunir-se nesse dia para adorar e servir a Deus (At 20.7; 1 Co 16.2) Por isso, os cristãos celebramos o domingo como dia de descanso, adoração e comunhão maior com o Senhor e com o seu povo. O que não podemos deixar de ter é, pelo menos, um dia para estarmos com o Senhor, em sua casa, adorando-o em espírito e em verdade."


[1] "Conclusão. O domingo, como o primeiro dia da semana, foi o dia instituído pela Igreja Primitiva para sua principal reunião. Assim, devemos nós continuar celebrando-o como dia de descanso semanal, para que possamos adorar ao Senhor e mantermo-nos saudáveis, física, mental e espiritualmente."



[1] Revista Lições Bíblicas CPAD 4°Trimestre. Lição 11 - O dia de adoração e serviço a Deus. III - A guarda do sábado em o Novo Testamento. 1. A essência do dia de descanso. 2. Jesus e o dia de descanso. 3. O cristão deve guardar o sábado?. Conclusão


Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. A Mudança para Domingo foi
    feita Depois do Novo
    Testamento ser escrito
    A mudança do Sábado para
    Domingo não é encontrada na
    Bíblia. Foi feita muito depois do
    Novo Testamento ter sido escrito.
    Então, como e quando foi feita
    a mudança?
    Inicialmente, o cristianismo era
    visto simplesmente como uma
    seita do judaísmo. No entanto,
    após as revoltas judaicas na
    Judéia em 67-70 EC e em 132-
    135 EC, as práticas religiosas
    judaicas—muitas das quais
    foram continuadas na Igreja primitiva—passaram a ser vistas
    com hostilidade através do Impé-
    rio Romano. Muitos na Igreja
    começaram a abandonar estas
    práticas, incluindo a observância
    do Sábado e festivais bíblicos.
    Não se encontram claras
    referências ao Domingo, como
    dia de adoração Cristão, até aos
    escritos de Barnabé e de Justino,
    respectivamente cerca dos anos
    135 e 150 EC. A observância do
    Domingo, como dia principal de
    adoração, parece ter-se consolidado durante o período do
    imperador Adriano (117-135 EC),
    que perseguiu os Judeus
    arduamente através do império
    Romano. Adriano proibiu especificamente práticas de Judaísmo,
    incluindo a observância do sétimo
    dia Sábado.
    Estas medidas opressivas
    aparentemente influenciaram
    muitos dos primeiros Cristãos em
    Roma a abandonarem o sétimo
    dia e a se voltarem para o
    Domingo, que historicamente era
    observado pelos Romanos e
    outros povos da antiguidade,
    como o dia de veneração do
    deus sol. Quando o Cristianismo
    foi declarado como religião oficial
    do Império Romano no 4º século,
    o processo acelerou-se.

    ResponderExcluir
  2. Preconceito anti-judaico de
    Constantino
    O imperador romano Constantino, apesar de ser um adorador
    do sol, foi o primeiro imperador a
    professar crença no cristianismo.
    Mas o “cristianismo” que Constantino aprovou já era
    consideravelmente diferente do
    cristianismo praticado por Jesus
    e pelos apóstolos. O imperador
    acelerou a mudança do cristianismo pelo seu ódio dos judeus
    e das práticas religiosas que
    considerava judaicas.
    Por exemplo, no Concílio de
    Nicéia (325 EC), as autoridades
    da Igreja proibiram essencialmente a observância da Páscoa
    bíblica. Endossando essa
    mudança, Constantino declarou:
    “Parecia uma coisa indigna que
    . . . seguissemos a prática dos
    judeus, que impiamente contaminaram as suas mãos com o
    pecado enorme, e são, portanto,
    merecidamente, aflitos com
    cegueira da alma . . . Vamos,
    então, não ter nada em comum
    com a multidão destes detestá-
    veis judeus” (Eusébio, Life of
    Constantine 3 [ Vida de Constantino 3], capítulo 18, citado em
    Nicene e Post-Nicene Fathers
    [Pais de Nicéia e Pós-Nicenos],
    1979, Vol. 1, pp. 524-525).
    Numa tentativa de unificar o
    seu império, ele estabeleceu as
    primeiras leis fazendo do
    domingo o dia oficial de descanso. A sua lei de 321 EC, por
    exemplo, afirmou: “No venerável
    Dia do Sol [Domingo] deixem os
    magist rados e pessoas
    residentes em outros municípios
    descansarem, e sejam fechadas
    todas as oficinas.”
    Várias décadas depois, o
    Continuado da página 13
    Concílio de Laodicéia [364 EC]
    decretou: “Os cristãos não
    devem judaizar descansando no
    Sábado, mas devem trabalhar
    neste dia; devem antes honrar
    o dia do senhor [Domingo,
    dia do sol] . . . se, entretanto
    forem achados judaizando
    sejam excomungados em nome
    de Cristo.”
    Dentro de poucos séculos a
    observância do Sábado bíblico
    continou apenas clandestinamente nos limites do império, e
    a maioria dos que professaram
    o Cristianismo adotaram o
    Domingo. Conquanto a Reforma
    Protestante trouxesse algumas
    mudanças, a observância do
    Domingo, como dia de descanso
    e adoração, propagou-se da
    Igreja Católica Romana a
    subseqüentes denominações
    Protestantes. Enquanto que a
    Igreja Católica reclamava
    autoridade para estabelecer os
    seus próprios dias de culto, as
    igrejas Protestantes, duma
    maneira geral, justificavam a
    observância do Domingo alegando que o Sábado do sétimo
    dia tinha sido substituído no
    Novo Testamento pelo culto do
    Domingo, em honra da ressurreição de Cristo (ver “O Domingo
    era o dia de adoração do Novo
    Testamento?”, página 44).
    Contudo, como acima
    confirmou o Cardeal Gibbons,
    não há autoridade bíblica para
    mudança do dia de descanso e
    adoração do sétimo dia para
    Domingo. Como se mostra ao
    longo deste livro, Jesus Cristo,
    os apóstolos, e os membros
    Judeus e gentios da Igreja
    primitiva de igual modo continuaram a observar o Sábado
    no sétimo dia—o único dia
    autorizado pela Bíblia.

    ResponderExcluir
  3. O Sábado é o quarto mandamento, e Deus não voltou atrás no que Ele escreveu com seus proprios dedos.Jesus veio pra salvar a humanidade e não pra desfazer aquilo que seu pai (Deus) deixou pra o povo. Em Eclesiastes a palavra de Deus diz assim: "De tudo que se tem ouvido é, teme a Deus e guarda os seu mandamentos, porque esse é o dever de todo homem". E o Sábado esta nesses mandamentos.

    ResponderExcluir
  4. Se a lei foi abolida, então poderei roubar, matar, adulterar qualquer um dos outros mandamentos, então porque somente o sábado, justo o sábado não é necessário guardar? Jesus ressucitou no Domingo que é o primeiro dia da semana...se até jesus descansou no sábado o guardando e ressucitando, serviu de exemplo até mesmo em sua morte!...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amado, seja bem-vindo ao site!
      Para a sua primeira interrogação não preciso fazer muito esforço, pois o próprio apóstolo Paulo já respondeu, veja: Romanos 6.15 "Pois quê? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum."
      Amado, quanto à guarda do sábado, temos três tópicos nessa lição que trata sobre o assunto, leia com atenção conferindo as referências bíblicas. Porém, se o amado não achar que ficou muito claro, recomendo a leitura de outras matérias que possuem mais referências bíblicas.

      No artigo deste site há 30 razões porque não guardar o sábado.
      http://solascriptura-tt.org/Seitas/TrintaRazoesNaoGuardoSabado-AmiltonJustos.htm

      Neste site o autor coloca 77 razões porquê não guardar o sábado.
      http://www.teoin.jex.com.br/adventismo/77+razoes+por+que+nao+sou+adventista+do+setimo+dia+2-3+/

      Enfim, há diversos sites que tem boas matérias sobre o mesmo tema. Espero ter contribuído para ajudar no seu questionamento. Volte sempre! Um grande abraço!
      Ismael Pereira de Oliveira

      Excluir
    2. Isso é muito comum na raça humana, sempre tentando adaptar a palavra de Deus as suas próprias vontades, Constantine misturou o paganismo com o cristianismo e infelizmente muitos Cristãos entrão no mesmo barco furado. Assim como os judeus extremistas e enganados abraçaram a LEI e viraram as costas para a GRAÇA que é Cristo, hoje muitos cristãos abração a GRAÇA e virão as costas pra LEI MORAL que é a expressão da vontade do Pai para nossas vida, as duas não tem como separar meu irmão em Cristo. A lei é o espelho que Deus nos deu para enxergar nossos pecados e quando nós cairmos, e a graça é a água que nos limpa e purifica quando enxergamos essa sujeira através do espelho dos mandamentos, a graça é a mão de Deus estendidade para nos lenvarta quando caimos é Cristo literalmente toda justiça vem dele, mas é necessário que façamos a nossa parte, e os mandamentos escrito pelo próprio Deus Pai é a tarefa a qual foi nos dada a fazer no decorrer de nossas vidas, o qual sabemos literalmente que precisaremos da ajuda do Espirito Santo de Deus para agradarmos ao nosso Pai Celestial. Paz e felicidades a todos, que Deus abençoe grandemente com luz total da divina palavra.

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Porque, como os novos céus, e a nova terra, que hei de fazer, estarão diante da minha face, diz o SENHOR, assim também há de estar a vossa posteridade e o vosso nome.

    E será que desde uma lua nova até à outra, e desde um sábado até ao outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o SENHOR.
    Isaías 66:22-23

    ResponderExcluir
  7. O SÁBADO QUANDO FOI INSTITUIDO NÃO EXISTIA HEBREUS OU JUDEUS,VEJA GENESIS.2:1-3.VEJAMOS TAMBEM RM.1:20.NO SÁBADO YEHOSHUA DESCANSOU LUCAS.4.16.OS DISSCIPULOS GUARDARAM.LC.23:54-56..A MÃE DE YESHUA OBSERVOULUCAS.23:56.É SINAL ENTRE DEUS E SEUS FILHOS.EZEQUIEL.20:20.É O DIA DO SENHOR.ÊXODO20:8-11;MARCOS.2:28É O DIA DE ADORAÇÃO NA NOVA TERRA.ISAIAS.66:22-23. AGORA FALAR O SÁBADO SEMANAL REFERINDO-SE COMO SE FOSSE CERIMONIAL É NO MINIMO FALTA DE CONHECIMENTO DAS DUAS LEIS,MORAL E A CERIMONIAL,LEI MORAL ESCRITA PELO DEDO DEUS EM DUAS TÁBUAS DE PEDRA ÊXODO.31:18.LEI CERIMONIAL FALADA EM GALATAS 3:10.QUE REFERE-SE A LIVRO DA LEI QUE SE ENCONTRA EM DEUTERONOMIO.31:24 AO 26.QUE O SENHOR YESHUA ILUMINE VOSSO CORAÇÃO.

    ResponderExcluir
  8. DEPOIS DOS COMENTARIOS ACIMA DISPENSA MEU COMENTARIO... PARABENS SILVIO CESAR SARAIVA, E "BLOG O QUE DEUS DESEJA PRA MIM"... 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  9. O sábado será sempre o Dia do Senhor, primeiramente porque foi instituído na Criação, foi abençoado e santificado por Deus (quando ele abençoa é para sempre), Em Ezequiel 20:20 foi instituído como um Sinal entre ele e a humanidade (Quanto a isso Está escrito que Deus não faz distinção de pessoas ou de raças (Atos 3:24 e 25); Está Escrito em I Carta de Pedro 1:24 que DEUS NÃO MUDA e que sua Palavra permanece eternamente. Como ele escreveu, pessoalmente, a Lei do Sétimo Dia nas Rochas Sagradas o sábado é para sempre; Jesus promulgou que O SÁBADO FOI CRIADO PARA O HOMEM (Marcos 2:28); Jesus bradou que podem passar os Céus e a Terra antes que das leis se consiga retirar um só caractere, e a leis do sábado tem 433 caracteres (Mateus 5:15 a 37) Porque quando os fariseus acusaram Jesus de violar os sábados ele desmentiu ao retrucar que apenas APARENTAVA isso (João 7:23 a 24) Sobretudo, Jesus santificou os sábados, sua Igreja, seus apóstolos e a Igreja de Paulo santificaram todos os sábados e jamais um só domingo (Lucas 4:16; Lucas 23:55; Atos 16:13; Atos 13:31 a 44) Outro dia, ouvi o pastor Malafaia afirmar que os evangélicos não guardam o sábado porque nove dos mandamentos estão repetidos no Evangelho, mas o do sábado não; Pura utopia e desconhecimento bíblico, pois o sábado está repetido por 10 vezes: Marcos 2:28; Lucas 4:16; Lucas 23:55; Atos 16:13; Atos 13:41; Atos 18:4; Atos 1:12; Atos 24:20; Hebreus 4:4; Mateus 5:17 e seguintes.
    Estudando-se o Novo Testamento com critério e atenção, concluímos que a palavra de Deus não atribui nenhum significado litúrgico ao dia da ressurreição, simplesmente porque esse acontecimento tem de ser visto apenas como uma realidade existencial experimentada pelo poder do Cristo vitorioso também sobre sua própria morte. De modo algum a ressurreição de Jesus pode ser vista como uma prática cristã associada ao culto aos domingos. Cristo, que havia ressuscitado a outros, não poderia ser vencido pela morte, o que anula totalmente a pretendida importância do tal domingo. Mas a Monumental Vitória de Jesus Cristo deu-se com a sua sofrida Morte na cruz! e não há uma só linha no Evangelho que aponte qualquer indício da troca maluca do sábado pelo domingo. Coisa do papado romano para que se cumprisse a profecia no Apocalipse 13:7: Satanás venceu os santos.
    Então, apesar dos pastores famosos e não famosos ensinarem errado, O SÁBADO É PARA SEMPRE, PERPETUAMENTE.
    Waldecy Antonio Simões walasi@uol.com.br
    No site www.segundoasescrituras tem arquivos completos sobre o sábado:
    119 O Tratado sobre as leis de Deus
    137 As sete Verdades bíblicas sobre o Sétimo Dia
    122 Os pastores evangélicos interpretam errado a Carta aos Gálatas

    ResponderExcluir
  10. Como os fariseus modernos utilizam errônea e frequentemente a Carta aos Gálatas para tentar reforçar sua tese altamente equivocada pela qual Jesus teria abolido as leis, tudo por conta da lei do sábado que pretendem ver extirpadas no Evangelho, criei esse arquivo que demente todas as pretensões de todos eles, famosos ou não.

    A maioria dos pastores evangélicos interpreta errado a Carta aos Gálatas.
    Parte 1 de 7

    Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade? Gálatas 4:16.
    Cansado, triste, chateado e desconsolado por causa do despreparo, da ignorância espiritual, ou até do farisaísmo da maioria dos pastores evangélicos, até dos mais famosos por todo o mundo, resolvi apontar seus crassos erros bíblicos, tais como “Jesus nos resgatou das maldições das leis”, onde por esse e por outros preceitos isolados ou não, por ignorância ou por pura conveniência doutrinária, atribuem as leis malditas citadas pelo apóstolo Paulo às leis do Decálogo do Senhor Deus, como se tal coisa fosse minimamente possível.
    Para quem se aplica a estudar a Carta aos Gálatas, dividida pelo homem em seis capítulos, vai notar que Está Escrito bem claramente que havia um grupo de Gálatas (há alguns que vos inquietam... Gálatas 1:7) cujos membros não se conformavam que as leis antigas, as de seus pais, das suas tradições, muitas vezes seculares, a partir de Jesus deixaram de existir na implantação da Nova Mensagem de Deus à Humanidade. Curiosamente, mesmo que não notado, isso caracterizou-se em mais um milagre grandioso de Jesus: Fez os judeus, em boa parte deles, abandonarem as ordenanças antigas, suas tradições antigas, suas leis antigas, enraigadas em suas almas, mesmo que algumas delas se caracterizassem como cargas pesadas - segundo o próprio Jesus, abaixo colocado - a favor da Religião da Graça, pois realmente foi difícil. Mas Está Escrito que tais leis, retrógradas, que escravizavam, que amaldiçoavam e que podiam matar dentro da lei, só vigoraram até João (Batista) Lucas 16:16.
    “Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com seu dedo querem movê-los...”. Jesus, em Mateus 23:4, se opondo contra os fariseus e suas leis retrógradas, as mesmas condenadas pelo apóstolo Paulo.
    A Verdade, como provaremos abaixo, é que as leis do Decálogo formaram os fundamentos do Evangelho, como também foram promulgadas por Deus para a humanidade, pois Está Escrito que o Senhor não faz distinção entre pessoas ou raças. Mesmo que resumidas, as 10 leis regulam perfeitamente todas as relações entre os homens e Deus e entre eles próprios, pois se todos obedecessem a essas leis de Deus o mundo seria um paraíso na Terra. Não haveria roubos, assassinatos e outros crimes; não necessitaríamos de muros, de fechaduras, de polícia, de exércitos, de armas, etc. etc. Por isso, mostraremos, sob as Escrituras, que quando o apóstolo Paulo repudiava as leis, essas nada tinham a ver com as leis do Decálogo. Para os que teimam em não aceitar isso, para esses provaremos, aqui a agora, que as Leis do Monte Sinai são perpétuas e absolutamente “imexíveis”.
    Vamos, então, colocar aqui os preceitos da Carta aos Gálatas mais usados pela maioria dos pastores citados na tentativa de burlar as leis de Deus, por pura conveniência doutrinária ou pelo menos na tentativa inútil de anular uma só delas, pois essa se consolida como uma pedra bem pontiaguda no sapato deles todos. Vejamos a VERDADE DE DEUS, impossível de refutar dentro da honestidade. Vem bem ao caso uma declaração de Paulo a um grupo de gálatas que tentava que certas leis antigas e retrógradas que escravizavam continuassem a validade também no Evangelho:
    Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade? Gálatas 4:16. Continue

    ResponderExcluir
  11. A maioria dos pastores evangélicos interpreta errado a Carta aos Gálatas.
    Parte 2 de 7
    Para quem se aplica a estudar a Carta aos Gálatas, dividida pelo homem em seis capítulos - vai notar que Está Escrito bem claramente que havia um grupo de Gálatas (há alguns que vos inquietam... Gálatas 1:7) cujos membros não se conformavam que as leis antigas, as de seus pais, das suas tradições, muitas vezes seculares, a partir de Jesus deixaram de existir na implantação da Nova Mensagem de Deus à Humanidade. Curiosamente isso se caracterizou em mais um milagre grandioso de Jesus não notado: Fez os judeus, em boa parte deles, abandonarem as ordenanças antigas, suas tradições antigas, suas leis antigas, enraigadas em suas almas, mesmo que algumas delas se caracterizassem como cargas pesadas - segundo o próprio Jesus declarou, abaixo colocado - a favor da Nova Religião, da Religião da Graça, e da Liberdade, pois realmente foi difícil, mas Está Escrito que as tais leis e ordenanças retrógradas, que escravizavam, que amaldiçoavam e que podiam matar dentro da lei, só vigoraram até João (Batista) Lucas 16:16. Portanto, principalmente em Gálatas e em Efésios.
    “Eu quereria que fossem cortados aqueles que vos andam inquietando”. Gálatas 5:12. O Paulo, se referindo ao rebelde grupo de gálatas.
    “Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com seu dedo querem movê-los...”. Jesus, em Mateus 23:4, se opondo contra os fariseus e suas leis retrógradas, as mesmas condenadas pelo apóstolo Paulo, pois quanto às leis do Decálogo, veremos agora como o apóstolo Paulo se referia a elas:
    A hora da Verdade do apóstolo Paulo: Principalmente na Carta aos Gálatas, ele abominava as leis que só vigoraram até João, mas quanto às leis do Decálogo, se confessa escravo delas:

    “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. De maneira que eu, de mim mesmo, com a mente, sou escravo da lei de Deus, mas, segundo a carne, da lei do pecado”. Romanos, 7:25.

    “Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus”. Romanos, 7:22.

    “Para Deus não há diferença de pessoas. Assim, pois, todos os que sem a lei pecaram, também sem lei perecerão; e todos os que com a lei pecaram, mediante a lei serão julgados, porque os simples ouvidores da lei não são justos diante de Deus, mas todos os que praticam a lei hão de ser justificados”. Romanos, 2:12. Aqui, Paulo, novamente, ressalta o valor dos Mandamentos, e lembrando que são Dez!

    “... se tornou manifesto e foi dado a conhecer por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus eterno, para a obediência por fé, entre todas as nações”. Paulo, em Romanos, 16:25.

    Paulo, o santo em vida, revela que não haveria pecado sem que houvesse antes a Lei instituída, promulgada e propagada e ainda cita uma das leis do Decálogo provando que se referia, de fato, às Dez Leis:

    “Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum! Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça se a lei não dissera: Não cobiçarás”. Romanos, 7:7.

    “Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento é santo, justo e bom”. Romanos, 7:12.

    Então, o Evangelho nos prova que Paulo jamais abominou uma só das 10 leis do Decálogo, ao contrário, imitando Jesus no Sermão do Monte, legitimou-as como os fundamentos do Evangelho de Cristo.
    Não nos esqueçamos de que Está Escrito que Jesus nomeou, com plena autoridade divina, como filhos do diabo os fariseus que constantemente o acusavam em público de desrespeitar as leis. Então, quando nos atermos, no Evangelho, a qualquer acusação dos fariseus contra Jesus, supostamente por ele ter violado uma só das leis de Deus, principalmente o Quarto Mandamento, Continue

    ResponderExcluir
  12. Até Paulo guardou o Sábado pregando o evangelho em atós. Quero ver aonde tem na bíblia dizendo que se deve guarda o domingo, pois o que vale é a lei de Deus, e para a gente ser salvo devemos guardar os mandamentos de Deus, então devemis também guarda o sábado. Fique com Deus e uma boa tarde.

    ResponderExcluir
  13. Não sei até quando a Igreja assembleia de Deus continuará a negar o que seus próprios escritores já declaram verdade! irmãos o decálogo é imutável! eterno, Parem de ensinar errado, nem o quarto nem nenhum dos dos 10 mandamentos foram abolidos! até padres catolicos já estão convencidos, que foi uma tragedia herege romana essa mudança! o que custa nos reconhecer e guardar a lei de DEUS! não tenham medo de prejuizos financeiros, vejam os Judeus, são os povos mais ricos do planeta, sustentam os americanos, proprietários dos maiores bancos mundiais, e seguem e guardam a lei de Deus, e estes guardam com ultra exagero! NÃO TEMAM GURDEM O SÁBADO!

    ResponderExcluir
  14. Fiz o último comentário, Nasci na Assembleia de Deus, tenho 37 anos sou músico e conclamo a todos nós irmãos a fazermos essa verdadeira reforma nessa denominação sobre NÃO TEMAM GUARDEM O SÁBADO! Baseado em estudos de teologos da CPAD, devemos instruir nosos líderes que ouçam o que o Espírito Santo de Deus diz as igrejas! GUARDAR O SÁBADO, NÃO SIGNIFICA MUDAR DE IGREJA!

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação! Volte sempre!