Total de visualizações de página

PESSOAS QUE GOSTAM DESTE SITE

04 dezembro 2014

LIÇÃO 10 – AS SETENTA SEMANAS / SLIDES DA LIÇÃO






LIÇÃO 10 – AS SETENTA SEMANAS






TEXTO ÁUREO
"Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniquidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e ungir o Santo dos santos"  (Dn 9.24).



VERDADE PRÁTICA
Deus revela os seus mistérios a quem reconhece a sua soberania e submete-se a sua vontade em amor e contrição.







INTRODUÇÃO
Diferentemente dos capítulos anteriores, o nono capítulo de Daniel não descreve o futuro dos impérios mundiais, mas o de Israel. Nesta lição, estudaremos a pesquisa de Daniel quanto à profecia de Jeremias: as setenta semanas, um período de 490 anos para o povo judeu. Este período compreende o fim do tempo da escravidão e do exílio dos israelitas em terras estranhas. A partir de uma circunstância histórica, Deus revelou a Daniel uma verdade futura acerca do seu povo. Pelo período de setenta anos, Israel veria a soberania de Deus intervindo em seu futuro. E após uma visão estarrecedora dos capítulos 7 e 8, referente ao tempo vindouro, em que "um rei feroz" prefigurava o futuro Anticristo, o profeta enfraqueceu-se física e emocionalmente, restando-lhe tão somente orar e buscar o socorro de Deus.





I - DANIEL INTERCEDE A DEUS PELO SEU POVO (Dn 9.3-19)


1. O tempo da profecia de Jeremias (vv. 1,2). Daniel, agora um ancião, ainda exercia suas atividades políticas sob domínio de Dario. O profeta esquadrinhou a mensagem do livro de Jeremias. E descobriu que a profecia de Jeremias determinava um tempo de setenta anos de cativeiro para os judeus. Logo este tempo marcado pelo sofrimento chegaria ao fim. Ao compreender a mensagem, o profeta Daniel orou a Deus, pedindo-lhe o cumprimento da promessa ao seu povo e que, por fim, Ele restaurasse o reino a Israel.


2. A confissão dos pecados de um povo (vv.3-11,20). A oração de Daniel demonstrou uma atitude confessional e de reconhecimento da culpa. Ele não apenas informou a culpabilidade do seu povo, mas a sua própria também: "pecamos, e cometemos iniquidade, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos" (v.5). A despeito da sua integridade, Daniel não foi presunçoso diante da justiça de Deus, pois ele colocou-se debaixo da mesma culpa do povo e suplicou o perdão a Deus.


3. Daniel reconheceu a justiça de Deus (vv.7,16). A princípio, como um ser humano imerso no sofrimento, Daniel não compreendeu a manifestação da justiça de Deus contra o seu povo, mas ao mesmo tempo ele estava convicto acerca da perfeição da justiça divina.
Não podemos, entretanto, confundir o juízo de Deus com os acertos de contas humanos. A justiça divina não é justiça humana.












II - DEUS REVELA O FUTURO DO SEU POVO (Dn 9.24-27)



1. As setenta semanas (v.24).   Daniel confirmara que Jeremias profetizou os setenta anos do exílio de Israel (Jr 25.11-13; 2 Cr 36.21). Por isso, na Bíblia, o número setenta ganhou um sentido profético. Assim, cada dia da semana pode significar um ano; cada semana, um período de sete anos. Então, as setenta semanas compreendem o período de 490 anos setenta multiplicado por sete. Mas quando se deu o início do cumprimento das setenta semanas? Para respondermos a esta pergunta temos de explicar primeiramente a expressão "setenta semanas":

a) Explicação. O versículo 24 afirma que Deus determinou as setenta semanas. O bloco que forma os versículos 24-27 é profeticamente dividido em três grupos: 1) sete semanas (49 anos); 2) sessenta e duas semanas (434 anos); 3) uma semana (7 anos). Estes somam as setenta semanas:

b) O primeiro grupo (1). O início desta profecia deu-se com o decreto da reconstrução de Jerusalém (v.25). Os principais estudiosos do assunto concordam que se trata do decreto de Artaxerxes Longímano, baixado em 445 a.C. (cf. Ne 2).

c) O segundo grupo (2).  É o período do advento do Messias, Jesus de Nazaré (vv.25,26). Neste tempo o Senhor foi morto e mais tarde Jerusalém foi novamente destruída através da liderança do general do exército romano, Tito, em 70 d.C.

d) O terceiro (3). Esta semana ainda não aconteceu (v.27). Compare o versículo 27 de Daniel com Mateus 24.15 e veja como se trata de uma profecia que ainda não se cumpriu. Esta última semana refere-se, então, ao período que implicará o advento do Anticristo e o início do tempo de tribulação para Israel.



2. Os três príncipes são mencionados na profecia (vv.25,26). O primeiro príncipe é o Messias (v.25). O segundo apareceu posteriormente e destruiu a cidade de Jerusalém e o santuário em 70 d.C., trata-se do general Tito (v.26). E o terceiro príncipe surgirá no futuro, na última semana profetizada por Daniel (v. 27). Este príncipe não é o Messias "tirado" (9.26), mas certamente um personagem mais poderoso que Antíoco Epifânio e o general Tito. Trata-se, portanto, do Anticristo (2 Ts 2.3-9; 1 Jo 2.18).


3. O intervalo que precede a septuagésima semana (v.27).  O estudo das Escrituras demonstra um longo intervalo de tempo que precede a septuagésima semana. A Bíblia identifica este intervalo profético como "o tempo dos gentios". A comunhão espiritual entre judeus e gentios, mediante a salvação em Cristo, formou um novo povo para Deus: a Igreja (Ef 2.12-16; 1 Pe 2.9,10). Atualmente, estamos no tempo da graça de Deus e temos de anunciar o ano aceitável do Senhor para o mundo inteiro (Lc 4.18,19).

Após o tempo gentílico virá a última semana que, identificada pelas profecias bíblicas, significa um tempo de Grande Tribulação.

É neste tempo que o "assolador", isto é, o "anticristo" ou "o homem do pecado" ou "o homem da perdição", virá sobre a asa das abominações (v.27).

Os sinais que precedem a revelação dessa figura abominável estão ocorrendo por toda parte. Todavia, a Igreja de Cristo não mais estará neste mundo, pois a noiva do Senhor será arrebatada antes do tempo da tribulação (1 Co 15.51,52).











III - OS PROPÓSITOS DA SEPTUAGÉSIMA SEMANA (Dn 9.27)


1. Revelar o "homem do pecado" (2 Ts 2.3). De acordo com as profecias, nem Antíoco Epifânio nem o general Tito foram objetos das predições do versículo 27 de Daniel. A passagem bíblica começa com o pronome "ele", também identificado como "o rei de cara feroz"; "o chifre pequeno"; "o animal terrível e espantoso". Mas quem será o personagem do livro de Daniel? Em o Novo Testamento, ele é identificado como "o anticristo" (1 Jo 2.18; 4.3) e "a besta que saiu do mar" (Ap 13.1). Apesar de apresentada numa linguagem simbólica, a personagem é literal. Trata-se de um líder mundial poderoso que chamará a atenção das nações pela sua diplomacia, astúcia e inteligência política.





2.  A Grande Tribulação (Mt 24.15,21). O Anticristo "fará uma aliança com muitos por uma semana (v.27). Note a expressão "com muitos"! Esta quer dizer que o Anticristo fará uma aliança com Israel, mas de início esta aliança não será unânime entre os judeus. Contudo, o Anticristo terá influência suficiente para impor a sua liderança política e, por fim, alcançar o sucesso e sua completa aceitação entre os judeus.

A força política do Anticristo será reconhecida nos três primeiros anos e meio, isto é, na primeira metade da última semana, quando a marca desse tempo será um período de falsa paz e harmonia. Em seguida, surgirá um tempo de sofrimento e tamanha aflição em todo o mundo. Perseguição, humilhação e morte serão a tônica desse tempo, a segunda fase da Grande Tribulação. Entretanto, e antes de tudo isso ocorrer, a Igreja será arrebatada e estará para sempre com Cristo na glória.


3. Revelar a vitória gloriosa do Messias. Jesus Cristo, o Messias prometido, será revelado quando da sua segunda vinda visível sobre o Monte das Oliveiras (Zc 9.9,10). O Rei aniquilará por completo o poderio do Anticristo, do falso profeta e do próprio Diabo (Ap 19.19-21) e estabelecerá um reino de paz e harmonia no mundo todo. Esta é uma mensagem de esperança para o nosso coração. Não tenhamos medo, creiamos tão somente! Breve Jesus voltará! Alegremo-nos nesta esperança!









CONCLUSÃO


Vivemos um tempo de incredulidade. Muitos se dizem teólogos, mas negam e desprestigiam as profecias bíblicas. Eles preferem as alegorias ao invés de se debruçarem sobre as Escrituras e estudá-las com fé, graça e humildade. Entretanto, a Igreja não pode rejeitar as verdades futuras de nosso Senhor. Portanto, corramos e prossigamos em conhecê-lo mais, sabendo que um dia tudo será desvendado aos nossos olhos.








------------------------------------------------
Referências

Revista Lições Bíblicas. INTEGRIDADE MORAL E ESPIRITUAL, O legado do livro de Daniel para a Igreja hoje. Lição 10 – As setenta semanas. I – Daniel intercede a Deus pelo seu povo. 1. O tempo da profecia de Jeremias. 2. A confissão dos pecados de um povo. 3. Daniel reconheceu a justiça de Deus. II – Deus revela o futuro do seu povo. 1. As setenta semanas. 2. Os três príncipes são mencionados na profecia. 3. O intervalo que precede a septuagésima semana. III – Os propósitos da septuagésima semana. 1. Revelar o “homem do pecado”. 2. A grande tribulação. 3. Revelar a vitória do Messias. Editora CPAD. Rio de Janeiro – RJ. 4° Trimestre de 2014.


Elaboração dos slides: Pastor, Ismael Pereira de Oliveira



Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. A paz do Senhor!!
    Meu amigo. Pr. Ismael, os slides como sempre estão perfeitos as aulas tem sido uma bênção, que Deus continue te abençoando e te guardando juntamente com a sua família. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Paz do Senhor!
    Gostaria de saber no quadro explicativo em que se encontra a VERIFICAÇÃO como se chegou ao cálculo em que aparece 476 anos x 365.2421989 dias.
    Como se chegou a esse número 365.2421989?? Grato!

    ResponderExcluir
  3. Excelente, parabéns.

    ResponderExcluir
  4. SABE POR QUE NO ESTUDO ACIMA TEM UM DIAGRAMA QUE É APRESENTADO COMO OS ADVENTISTA ENSINAM? É PORQUE VOCES NÃO TEM CERTEZA SOBRE O CORRETO.

    ResponderExcluir
  5. Seu Deus deu 70 semanas exatos para se cumprir poque vocês colocam um tempo de intervalo e que nos restantes finais tem datas ja definidas? o que acontece com os 1810 dias faltantes (2300 tardes e manhãs)? se o inicio da profecia é em 457 a.C então terminaria em 1844. e as 70 semanas começa exatamente em 457 a.C e terminaria em 34 d.C. essa profecia da não foi concluida?

    ResponderExcluir
  6. Paz do Senhor que ensino abençoado tirei muitas duvidas sobre este tema.
    Deus abençoe.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação! Volte sempre!